segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Teorias conspiratórias da morte de Eduardo Campos

"O presidenciável Eduardo Campos sofreu um acidente aéreo encomendado pelo PT". É a teoria conspiratória que está rolando na internet esses dias. Confira estas coincidências (?), de algumas fontes (um tanto duvidosas) e tire suas conclusões:



Caixa-preta não gravou conversas do voo de Campos, diz Aeronáutica. 

A conversa gravada é de outra data; Aeronáutica não sabe por que isso ocorreu
Fonte: www1.folha.uol.com.br

Quatro agentes da Abin foram presos por espionar Eduardo Campos a mando do Governo Federal, noticiou revista

Em junho de 2013, a revista Veja noticiou a prisão de quatro agentes da Agência Brasileira de Inteligencia (Abin) que estariam espionando o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), supostamente a mando do Governo Federal. Leia a matéria do Diário de Pernambuco, publicada em 15/06/2013:
Prisão de quatro agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) que estariam espionando o governador de Pernambuco
A edição da revista Veja desta semana traz uma matéria especial sobre a prisão de quatro agentes da Agência Brasileira de Inteligencia (Abin) que estariam espionando o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), virtual candidato à presidência da República nas eleições de 2014. Segundo a publicação, os agentes presos foram Mário Ricardo Dias de Santana, Nilton de Oliveira Cunha Júnior, Renato de Carvalho Raposo de Melo e Edmilson Monteiro da Silva. Eles teriam sido detidos pela Polícia Militar de Pernambuco (PM-PE) no último dia 11 de abril, quando agiam infiltrados no Porto de Suape, em Ipojuca, Litoral Sul do estado.

Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI) pediu a Abin para monitorar os portuários e sindicatos contrários à Medida Provisória 595

Em abril deste ano, o jornal Estado de S. Paulo apresentou um documento exclusivo sobre o caso. Na época, a publicação confirmou que o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI) pediu a Abin para monitorar os portuários e sindicatos contrários à Medida Provisória 595, também conhecida como MP dos Portos. A nova legislação, que recentemente foi sancionada com vetos pela presidente Dilma Rousseff (PT), tirava parte da autonomia de terminais em todo o país, inclusive, o de Suape. Os trabalhadores organizavam uma greve geral e teriam, em parte, o apoio do governador pernambucano.

Esquema de espionagem montado pelo governo federal

No início, a Abin informou que desconhecia a missão. O jornal, então, apresentou o documento intitulado Ordem de Missão 022/82105, de 13 de março de 2013. A ordem foi encaminhada para sedes da agência de inteligência em 15 estados, dando como destaque a possível Mobilização de Portuários. O GSI confirmou a veracidade do documento. Dias depois, o ministro general-chefe José Elito, no entanto, classificou como mentirosa a descoberta relatada pela publicação paulista. Na mesma ocasião, o governador Eduardo Campos não se posicionou sobre o esquema de espionagem montado pelo governo federal, seu aliado no plano nacional, montado no Porto de Suape, uma das vitrines de sua gestão.

Monitoramento Político

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, ainda tentou afastar a tese de monitoramento político noticiado, nas entrelinhas, pelo jornal O Estado de S. Paulo. Apesar da tentativa, a Abin passou por uma crise institucional. A Presidência da República enviou uma nota oficial, por meio de sua assessoria de imprensa, afirmando que não fazia operações para vigiar movimentos sindicais ou sindicalistas conforme tem sido noticiado. A Presidência também fez questão de destacar que não tinha mobilizado agentes para espionagem no Porto de Suape.

Sobre a Abin

Criada em 1999 pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), a Agência Brasileira de Inteligência (Abin), o órgão subtituiu o Serviço Nacional de Informações, formulado pela ditadura militar brasileira (1964-1985). Entre as atribuições da Abin, estão avaliar ameaças (internas e externas) a ordem constitucional, planejar e executar a proteção de conhecimentos sensíveis relativos ao interesses e a segurança do estado e da sociedade. A Abin, também, planeja e executa ações, inclusive sigilosas, destinadas a assessorar a Presidência da República.

Denise Abreu lembra morte de denunciante do mensalão e diz que queda de avião de Campos deve ser rigorosamente investigada

Denise Abreu, ex-diretora da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) e ex-pré-candidata à presidência da República pelo PEN (Partido Ecológico Nacional), afirmou que deve haver uma "séria, profunda e despolitizada" investigação a respeito da queda de avião que causou a morte de Eduardo Campos, candidato do PSB à presidência da República.
Denise lembrou que, no acidente da TAM, houve a perda de um grande denunciante do mensalão, o deputado Júlio Redecker. Abreu avaliou, ainda, que a imprensa nunca citou tal fato com a relevância que deveria ter sido atribuída.

Fonte: www.folhapolitica.org

Apuração de acidentes aéreos se torna sigilosa com nova lei


A presidente Dilma Rousseff sancionou na sexta-feira a Lei 12.970, que torna sigilosa a investigação de acidentes aéreos feitos pela Aeronáutica. Com a nova norma, publicada ontem no Diário Oficial da União, o acesso da polícia e do Ministério Público às gravações das caixas-pretas de dados e de voz do avião só poderá ocorrer mediante decisão judicial
As mudanças foram apresentadas pela Comissão Parlamentar de Inquérito da Crise do Sistema de Tráfego Aéreo, instalada na Câmara dos Deputados após a colisão entre um Boeing 737-800, da companhia Gol, e um jato Legacy de companhia de táxi-aéreo norte-americana, em 2006, que matou mais de 100 pessoas. A lei fixa regras para o funcionamento do Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Sipaer), cujo órgão executivo é o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), do Comando da Aeronáutica.
De acordo com o texto, a investigação tem por objetivo único a prevenção de outros acidentes e incidentes por meio da identificação dos fatores que tenham contribuído, direta ou indiretamente, para a ocorrência e da emissão de recomendações de segurança operacional. A lei estabelece ainda que a investigação do Sipaer deverá ser independente de qualquer outra, tendo precedência sobre todas as demais.
O texto assegura o acesso da comissão investigadora à aeronave acidentada, seus destroços, cargas, laudos, autópsias e outros documentos. Para preservar as informações, a autoridade responsável poderá interditar o avião e seus destroços, permitindo sua remoção apenas se for necessário para salvar vidas, preservar a segurança das pessoas ou proteger evidências.
Com informações da Agência Senado.
OBS: a Dilma sancionou a lei em maio deste ano.

Fontes: G1 - R7

"Podemos fazer o diabo quando é hora de eleição", diz Dilma com aliado de Eduardo Campos na PB

A presidente Dilma Rousseff disse nesta segunda-feira (4), em João Pessoa, que não vai mirar neste momento as parcerias entre PT e aliados com vistas à eleição de 2014. "Podemos fazer o diabo quando é hora de eleição, mas quando se está no exercício do mandato, temos de nos respeitar, pois fomos eleitos pelo voto direto", disse, a uma plateia de 22 prefeitos paraibanos e beneficiários de programas habitacionais, em sua primeira visita oficial ao Estado desde que assumiu a Presidência.

Fonte: noticias.uol.com.br

Outras dúvidas de internautas:
"Um vôo que tenha decolado do Rio de Janeiro, com destino à Base Aérea de Santos, teria todo o seu percurso registrado pelo controle de tráfego Aéreo de Brasília, , com localizações via transpônders e toda a comunicação com o tráfego e torre de aproximação registrada, tanto pela aeronáutica quando pelo suporte de terra! Eles também sumiram?"

"É só olhar para história. Presidente Jânio Quadros forçado a renunciar. Ulisses Guimarães, Tancredo Neves, agora Eduardo Campos, todos os que se levantaram como uma esperança de tirar o Brasil da corrupção tiveram morte no mínimo suspeitas."

"Vou traçar os motivos pelos quais não vou aceitar o argumento de acidente aéreo para a tragédia com a aeronave Cessna 560XL:
1 – a aeronave era relativamente nova, sendo fabricada em 2010;
2 – ela tinha todas as revisões em dia, com inspeção anual válida até o ano que vem e ao contrário do que chegou a ser veiculado, não apresentou falha alguma em seu histórico de vôos;
3 – as condições de adversidades climáticas encontradas na região na data hora e no local informado, não produziriam efeitos para o que se viu com as evidências de explosões antes de tocar as moradias, não estava chovendo e não havia nenhuma tempestade, estava garoando;
4 – não há histórico de aeronaves que tenham arremetido e em razão da manobra tenham produzido efeitos para causarem explosão repentina de modo a não sobrar pedaço algum muito maior que vinte centímetros;
5 – o piloto e a torre de controle mantiveram contato e na conversa gravada a que uma emissora de TV conseguiu ter acesso, não havia nenhuma anormalidade e houve um diálogo sob aparente normalidade, mas a mesma conversa apresentada não expõe até o final, ou seja, não apresenta até onde pode ter havido uma explosão;
6 – mesmo em tragédias como as da Tam ou da Gol que foram as maiores já registradas no país, nunca houve um episódio em que os corpos das vítimas fossem despedaçados como foram os sete corpos dos sete ocupantes da aeronave;
7 – Eduardo Campos se apresentava como uma opção entre Dilma e Aécio Neves, onde figurava como um candidato que causava desconforto para o PT porque poderia conquistar votos importantes no Nordeste brasileiro e incomodar a candidatura petista.
8 – A aeronave sofreu duas explosões, uma que ocorreu na cabine do piloto, motivando a queda e fazendo a aeronave cair, motivo da inclinação repentina e dos relatos de que caía como uma “Bola de Fogo”, seguida de outra maior que despedaçou os corpos e toda a aeronave, as explosões aconteceram de dentro para fora, haja vista que a porta da aeronave foi lançada para longe e tanto a aeronave como seus ocupantes foram despedaçados.
9 – acidentes acontecem, aeronaves caem, mas aeronaves como esta que é considerada segura se despedaçar a ponto de não sobrar pedaços maiores é algo muito diferente do normal, não haver uma grande parte da aeronave inteira como é convencional, isso foge e muito da normalidade. Vejam os episódios do avião da Tam, ele pegou fogo sim, mas a aeronave se dividiu em grandes partes, esse avião se despedaçou por uma grande explosão.
10 – vítimas de acidentes aéreos morrem com seus corpos queimados, não morrem com seus corpos despedaçados como foi o caso deste suposto acidente. Os corpos foram tão despedaçados que obriga exame por DNA e arcada dentária, já que não há como definir os pedaços dos corpos de cada ocupante sem os exames. Não foi acidente. Foi um atentado."

Sinceros sentimentos à família de Eduardo Campos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...